[ editar artigo]

Madrasta de um autista

Olá. Há dois anos comecei meu relacionamento com o meu atual noivo e desde o começo minha situação com o filho dele foi dificultada (não por mim, não por ele e menos ainda pela criança). 

A mãe dele e o pai haviam se separado recentemente, mas ele ainda era muito novo para entender (tinha apenas 2 anos), então a situação dos dois estava muito conturbada pelo recém-término.

Não estou aqui para falar mal de ninguem, apenas desabafar sobre a difícil situação causada pela nao-aceitaçao da mae dele perante a situação como um todo.

Meu noivo foi restringido de ver o próprio filho até  que fosse decretado pela lei num acordo os direitos e deveres dele como pai, e eu, claro, figurante sempre e com uma imagem totalmente monstrualizada pelas falsas informações que a mãe dele falava sobre mim. Por muito tempo me incomodei com tudo que ela fazia desde falar mal de mim, hackear meu noivo para conseguir e espalhar fotos minhas nuas, indagar conhecidos sobre meu relacionamento e vida pessoal, atormentar a família do meu noivo para me difamar e muitas outras desumanidades.

Eu e meu noivo não podemos, sequer buscar meu enteado juntos, ele é forçado a ir com a mãe por acordo judicial como exigência da mãe de meu enteado, ja que na vez que fui buscar ele junto ela tentou me agredir. 

Quanto ao meu enteado, é autista. É uma criança tão maravilhosa, tão especial em tantos sentidos da palavra, é uma criança iluminada, pura, cheia de amor no coração, me faz sentir especial e amada, me adora e não me larga um segundo. Temos uma relação tão boa e isso tem sido tão construtivo para ambos. Tenho observado tanta evolução nele quanto ao espectro e isso enche meu coração de esperança.  Toda vez que ele me beija, me abraça, me olha nos olhos e sorri, me pede colo, faz questão da minha companhia, brinca comigo de brincadeirinhas nossas, me chama de "Titia" meu coração chora de felicidade e ao mesmo tempo de dor. 

Eu amo tanto essa criança, e eu sinto tanto que ele precisa de mim como eu preciso dele que me dói ser sempre coadjuvante na vida dele. Sou sempre figurante. Nunca posso dar minha opinião porque sou madrasta e por a mãe dele me detestar. A família de meu noivo faz todo tipo de vontade absurda que ela exija para não criar problemas com ela e simplesmente ignoram como isso faz eu me sentir e sobre se isso faz mal ou bem para o meu enteado. Existem situações onde a criança ja foi afastada de mim contra a propria vontade só para fazerem figuração para a mãe dele.

Não resta duvidas para ninguém de que ele me ama e ama estar comigo e eu com ele, mas ainda assim todos agem como se fosse errado eu estar por perto.

Eu não tenho local de fala sobre tudo que envolve ele, mesmo quando eu aponto o que é melhor pra ele eu sou ignorada.

Eu sofro muito com isso e pra ser sincera guardo muito sentimento ruim dentro de mim por ver situações em que o meu enteado está sendo injustiçado e não posso falar nada porque é assim que a mãe dele quer.

Eu não sei se pode esse tipo de texto aqui, nem sei se chega a ser uma pergunta, mas eu queria muito apoio de alguém que entenda pelo menos 1 terço do que estou sentindo.

Estou grávida no momento, acabei de passar pelo primeiro trimestre e agora mais do que nunca me dói ser sempre coadjuvante na vida de uma criança que me importa tanto. Me dói não poder fazer mais por ele, ser impotente e sem voz quando eu mais precisava ser ouvida.

Eu me preocupo, eu estudo sobre tudo que envolve ele, e o que mais dói é não ver mais ninguém se importar em fazer o mesmo e ignorar quem faz.

Eu não quero ocupar o lugar de ninguem, ele me deu um lugar na vida dele. Eu só quero reconhecimento e respeito. 

Somos Madrastas
Madrasta de um autista Seguir

Prefiro me manter oculta, tenho uma stalker só esperando cair algo do céu que sirva para me difamar.

Ler conteúdo completo
Indicados para você