[ editar artigo]

Ele, elas e eu.

Ele, elas e eu.

Ele, elas e eu! Meu lar, meu ninho, meu núcleo familiar, meu cantinho mais quentinho e especial na vida!


Chegar na vida de alguém e ficar é uma escolha e com essa escolha vem todas as consequências possíveis. Dos sorrisos as lágrimas, das realizações aos desafios, da fortaleza aos reajustes. Tudo isso é constante, relacionamentos são dinâmicos.

Cheguei e ele não era só ele, o homem, o cara pra partilhar comigo a vida; mas já era o pai. Houve uma história antes de mim que vai além dos pais e irmãos dele, que também tenho do lado de cá, no meu lado. A intensidade da história dele é bem diferente da minha, juntamos as duas.

Cheguei com um núcleo já formado, que já havia se reajustado a ser pra ele e as filhas, e quando eu cheguei teria novo ajuste para ele, elas e agora eu. E seguimos ajustando a cada passo nessa jornada, evoluindo juntos.

Cheguei e com muito cuidado, muitos medos, muitas observações, muito diálogo, porém antes de qualquer coisa, sempre com muito respeito a ele, a elas e a mim. Elas são importantes, mas ele e eu também. Não há relacionamento saudável se só um lado tiver valor.

Cheguei para amar, para cuidar, para proteger, para falar, para me silenciar, para aprender e principalmente para somar!

Cheguei para romper em mim muitos dogmas, para construir novos conceitos, para me autoconhecer, para ser amada com mais uma forma de amor. Sou amada por ser madrasta, por elas e por ele.

Cheguei, gostei e fiquei.

Somos Madrastas
Isabele Trindade
Isabele Trindade Seguir

Sou a Isa, madrasta de duas meninas e tia de quatro pessoinhas incríveis. Sou enfermeira, especialista em ginecologia e obstetrícia, saúde mental e psiquiátrica e pós graduanda em processos autodestrutivos e suicidologia.

Ler conteúdo completo
Indicados para você